16/11/2004

CAZUZA, RAUL, RENATO E CAETANO.

Ok, agora é a listinha dos meus favoritos MPB de TODOS OS TEMPOS DO MUNDO E DO UNIVERSO DE DEUS. E antes que o Jaspion volte aqui para me chamar de Nick Hornby, digo que ele, o Nick, só foi esperto de ganhar dinheiro com essas listas que todo adolescente sempre fez. Enfim, eu também nunca li Nick Hornby, não posso criticar, mas nunca contaminaria minha "LITERATURA" com essas coisas pop, haha. Pra isso servem os blogs...

Pelos Ares – Adriana Calcanhotto
Eu gosto de quase tudo da Adriana (e o que eu não gosto eu detesto). Na verdade, ela tem letras bem melhores do que esta, mas as imagens que esta música me traz são ótimas. É uma música-catálogo, né? Aquela coisa de lista: "bicicleta, planta, céu", que muitos compositores fazem hoje em dia. Só que me lembra uma instalação que vi numa Bienal dos anos 90, que era um barraco que eles explodiram, depois penduraram os caquinhos todos numa sala, como se estivéssemos no meio da explosão (alguém sabe o nome/lembra de quem é?). O arranjo dessa música me lembra bem o "Libertango", do Piazzolla, na versão da Grace Jones.

Mutantes – Panis et Circenses.
Esta é previsível, eu sei. Eu nem sou tão fã de Mutantes assim. Gosto, mas não demais. Mas esse album – Tropicália – é bem forte. Ouvia em LP da minha mãe, ainda criança. Eu poderia tirar mais duas músicas dele para meu top 10: "Lindonea" – com a Nara Leão, e "Baby" – com a Gal Costa, só que ia ficar muito repetitivo. Pena que o Caetano morreu tão jovem...

A Marchinha Psicótica – Júpiter Maçã
Ahhhhh, esse cara é muito bom, muito tosco, muito bom. Vi um show dele recentemente. Que maravilha, psicodelia pura. E o que é a letra dessa música: "doidão é apelido para a paranóia, toda a jibóia, toda a bóia toda a clarabóia", haha. É o tipo de imbecilidade genial. A música é um caldeirão de referências: Bob Dylan que se encontra com um alien que tinha cabeça de Woody Allen e barba de Allen Ginsberg. Haha.

Marina Lima – Deixe Estar
Eu só comecei a ouvir Marina Lima recentemente, por influência do Daniel (Luciancencov). Esse cd "Pierrot do Brasil", é ótimo. Totalmente deprê, ela sem voz nenhuma, recorre a co-incidência de teclados e backing vocals para manter a linha melódica, enquanto ela praticamente lê as letras. Parece que estamos espremendo a última gota do bagaço de uma fruta...azeda.

Nelson Ned – Meu Jeito de Amar
É sério, é sério. Ë bom pra caralho! Aliás, esse cd (que reúne dois discos do Nelson, "Tudo Passará" e "Meu Jeito de Amar") é um dos melhores da minha coleção. Tem uns arranjos absurdos de orquestra, tecladinhos assombrados e o Nelsinho cantando num vozeirão "tamanho não é documento, pelo menos tenho sentimento!" Haha. E essa música – Meu Jeito de Amar – tem a melhor letra gay que eu já vi. Nela ele conta que sente algo estranho por um amigo, mas não tem coragem de confessar. Daí no refrão entra a orquestra e ele diz que "como eu queria dar um beijo na sua boca e te fazer vibrar de amor". Haha, imagine só aquele Nelsinho...Eu não sei se ele é gay, talvez tenha sido só um "surto poético".

Angela Maria – Garota Solitária
Ok, essa entra na linha do Nelson Ned. Adoro a Angela, essas músicas de fossa. E esta, em específico, tem uma das melhores letras. Ela fala que sofre por não ter um amor, que vive "sozinha sem um bem" e ataca no refrão. "Será que eu sou feia?" e o coro responde: "não é não senhor". E ela pergunta: "então eu sou linda?" e basicamente eles respondem: "também nem tanto", ahahah.

Bastidores – Cauby Peixoto
Continuando na linha "le kitsch c’est chic", Cauby, Cauby! Eu tenho muita coisa dele. Gosto de quase tudo, mas acho que essa é a música mais representativa. "Com muitos brilhos me vesti, depois me pintei, me pintei, me pintei". Glamour total! Letra do Chico Buarque. Eu vi um show dele em 2000, em Porto Alegre, mas foi meio deprê. Ele estava muito debilitado, cantando sentado, com ajuda para entrar e sair do palco. Mas a voz ainda estava poderosa.

Pato Fu – Eu
A melhor banda da atualidade? Prova de que é possível vender pop alternativo? Pato Fu é tão bom que a gente nem liga para a (falta de) voz da Fernanda Takai. O John também é foda, fodíssima, um puta guitarrista. Eles têm letras ótimas, insólitas. Esta, especificamente, é do Graforréia Xilarmônica (grande banda também), mas o Pato Fu deu uma boa recauchutada no arranjo, mais pesado, cheio de guitarras e timbres de theremim.

Cidadão Instigado – Minha Imagem Roubada
Acho que ninguém conhece essa banda. Quem me apresentou foi a (minha ex) Fabbie, que produz shows e festivais de rock. Eles são do Ceará e misturam algumas coisas regionais com rock progressivo, psicodelismo e experimentalismo. Da letra dessa música eu não posso falar muito, não entendo o que quer dizer, hehe, mas o arranjo é uma delícia, com uns tecladinhos kitsch e uma batidinha de bolero.

Kid Abelha – Eu Contra a Noite.
Eu nunca fui fã do Kid Abelha. Na verdade, só fui escutar mesmo recentemente, um dia que estava de bobeira e assisti o acústico pela TV. Eles têm umas puta letras. Acho que são as melhores letras do pop nacional. A Paula Toller também é o máximo, e eu adoro a voz dela. Esta música está no acústico e no album "Surf" (que tem aquela bagaceirice "Te Amo pra Sempre"). Ela tem uma coisa "surf music" sim, e é tão gostosa. A letra não é genial, eles têm melhores (e bem piores), mas é ok. O título parece título de conto meu. Eu escuto direto aqui em casa, por isso entra na lista.

Conclusões? Mulheres sofredoras e rapazes afetados. De novo!


QUANTO GANHA UM ESCRITOR

Com Paulo Scott na Garopa Literária Aqui em Maresias. Na casa que Murilo alugou. Cheguei nesta noite fria de sábado e fui fazer um ch...