06/07/2005

MICHAEL JACKSON ATACA NOVAMENTE

Nesta semana conheci o escritor norte-americano JT Leroy. Ele veio ao Brasil lançar a tradução de seu primeiro livro, "Sarah" (traduzido pelo Flávio Moura, meu colega de escola, para a Geração Editorial) e fazer a pré-estréia do filme "The Heart is Deceitful Above All Things", baseado em seu livro homônimo, que por sua vez é baseado em sua vida..

JT Leroy tem 25 anos, é escritor, roteirista, letrista e praticamente transformista. Passou a infância e a adolescência se prostituindo ao lado de sua mãe, uma junkie a la Courtney Love. Hoje é autor de sucesso, badalado em Hollywood, fez o roteiro do filme "Elefante", do Gus Van Sant, escreve para as revistas I.D e Spin e só aparece em público usando imensos óculos escuros, chapéu e peruca.

Estou pegando umas traduções com a Geração Editorial, então hoje, depois do lançamento na Livraria da Vila, fomos jantar com o JT num restaurante nordestino (ele é americano, queriam que fosse aonde, ao Ampgalaxy? haah). Minha irmã caçula, Nina, também foi. Foi ótimo para ele provar pratos típicos e ouvir forró, a Nina tomar caipirinha e eu experimentar aqueles sucos exóticos: cajá, cupuaçu, Embu das Artes e todas essas coisas. Ah, claro, no restaurante JT tirou a peruca e os óculos. Só posso dizer que, além de simpático, é um pitéuzinho...

A Geração Editorial traz uns autores bem interessantes ao Brasil. Foram eles que trouxeram o Matthew Stadler, que eu já comentei aqui no blog e que eu também conheci na Livraria da Vila (mas há uns 10 anos...). Matthew também escreve umas coisas pesadas, envolvendo pedofilia, mas são romances de ficção, levemente surreais, nada de memórias. Depois d'eu encontrá-lo aqui no Brasil, nós trocamos alguns emails e ele inclusive me enviou outro livro dele, "Allan Stein" (que trata do mesmo tema – aparentemente, ele é obcecado por rapazes de 14 anos).

Tem muitos autores americanos contemporâneos nessa praia. O Augusten Burroughs, que também escreve memórias de sua infância hardcore e tem um livro insano chamado "Running with Scissors" (que já foi comprado por alguma editora brasileira, só não sei qual. Alguém sabe? Não querem me passar a tradução?). Tem o Tom Spambauer, que escreveu um faroeste gay sobre um índio adolescente e michê – "The Man Who Fell in Love with The Moon". Tem um documentário bizarro chamado "Tormento", que passou na Mostra do ano passado, todo feito com vídeos caseiros e fotos (produzido pelo... Gus Van Sant!), sobre um rapaz gay que também foi criado por uma mãe completamente louca. Tem os livros de fotos do Terry Richardson e do Larry Clark (que dirigiu "Ken Park" e "Kids") - mas esses eu já acho muita tosquice. E tem a Sally Mann, fotógrafa que está em outro patamar, menos explícita e menos bagaceira, mas ainda assim bastante perversa. Ela é das minhas favoritas, vai muito além do tema. Vocês podem ver umas fotos aqui:

http://www.art-forum.org/z_Mann/gallery.htm)

Só falta a mídia criar um rótulo para essa produção, tipo "Pedofilia Chique".

VOTUPORANGA, SÃO PAULO, SÃO ROQUE E FIM!

Quinta agora, com Reynaldo Damázio. Se há algo de que não posso me queixar este ano é dos eventos. Antes mesmo de lançar o livro novo o...