14/05/2006

CARREIRAS SUJEITAS A TIROS

Final de semanas de festas, presentes e comemorações. Não, não fui ao Skoll Bits, acho que não tenho mais saúde para isso. Mas até queria ver o Prodigy... de novo. Fui naquele show que eles fizeram de graça, em 97 (ou 98?) e não gostei muito. Achei meia-boca como show, mas de repente como "Live Act" funciona melhor. Acho o som deles poderosíssimo, pesadíssimo, delicioso. Me desperta as idéias mais sórdidas... bem isso não é muito difícil. E esse álbum novo (mas nem tanto) deles acabou se tornando meu favorito. Não tem a novidade do "The Fat of the Land", mas é o eletrônico mais rock and roll que eu já ouvi. Carreira sujeita a tiros. Enfim, deixei para a petizada...

Eui fui curtir um lounge no campo, com amigos queridos, comidinhas de aniversário e chachachá. Ganhei flores, doces, bebidas e livros, muitos livros, muitos daqueles que eu mais queria. Vai a lista:

Pergunte ao Pó - John Fante: Dele eu só tinha lido "Sonhos de Bunker Hill", que ganhei da Soninha Francine quando participamos juntos de um debate. Achei tão queridinho. Sim, queridinho, um personagem/autor meigo, divertido, conquistou minha simpatia e queria ler outras coisas dele. "O Pó" é o mais conhecido. Então vamos lá.

Os 120 dias de Sodoma - Marquês de Sade: Tenho medo. Sim, eu também sou sensível e tenho medo de ler essas coisas... mas leio e releio, hehe. A peça eu ainda não assisti, mas devo ir semana que vem. Vi o filme do Pasolini ("Saló") e me chocou terrivelmente, principalmente porque fui num cinema em Porto Alegre com uma amiga minha e ela passou o filme inteiro conversando com uma amiga no celular, apesar dos meus protestos. Não somos mais amigos... Do Sade eu só li "Justine", num clima legal, numa biblioteca da faculdade. Como eu não era sócio, não podia tirar o livro de lá, então ia diariamente para continuar com a leitura. Anos depois comprei uma edição de "Justine" em francês. Está na minha estante, mas nunca abri.

Mãos de Cavalo - Daniel Galera: Detesto comprar livros de autores contemporâneos/colegas, porque acabo ganhando tanta coisa desse pessoal, que prefiro quebrar meu cofrinho para avançar nos clássicos ou estrangeiros. Mas como a Cia das Letras é mão de vaca e nunca me manda livro algum, foi bom eu ter ganho de presente. Esse era um dos que eu estava bem tentando a comprar...O guri está sendo bem elogiado por esse livro novo. Eu li o primeiro dele, "Até o dia em que o Cão Morreu" e gostei bastante. Prosa séria, honesta e afetiva. Não somos amigos, mas ele já me recebeu com muita simpatia na casa dele (também em Porto Alegre).

Cocaína - Antologia organizada por Beatriz Resende: Quando vi esse livro na Cultura, há alguns meses, minha primeira reação foi de revolta. Como organizam uma antologia de contos sobre cocaína e não me convidam? Logo eu, o único escritor que não é maconheiro... Carreira sujeita a tiros. Hahah. Zoeira. Mas são apenas autores clássicos, com crônicas e contos sobre o tema. João do Rio, Lima Barreto, Coelho Neto, etc. Vai me inspirar. E ganhei de presente da minha mãe.

Selected Poems - Paul Celan: Nunca tinha lido nada dele. Nem costumo ler poesia. Por isso mesmo adoro ganhar. E numa edição bilingue alemão-inglês bonitinha da Penguin. O livro veio com marcador nessa poesia:

More fully,
since snow fell even on this
sun-drifted, sun-drenched sea,
blossoms the ice in those baskets
you carry into town

Sand
you deman in return
for the last
rose back at home
this evening also wants to be fed
out of the trickling hour.

Ainda ganhei de presente livros da Katherine Mansfield, Tennesse Williams e Tchekov. Isso sem contar uma botinha de bico-fino que imita couro de jacaré... super dândi.

E perguntam se estou feliz? Claro que não. Como poderia estar com nossos pobres homens da lei sofrendo lá fora... Carreira sujeita a tiros.

LEVE NEVE

Com minha herdeira, a Trevosinha Valentina.  Lançamento ontem em São Paulo. São Paulo é o que conta - é minha casa, minha base, daqui...