04/05/2006

SALUT, SLUT!

Os apartamentos ao meu redor chacoalham por vitórias e por derrotas. Torcedores... miseráveis. É por isso que dizem que mamíferos sem espaço para correr devem ser castrados. Do contrário, bebem cerveja, criam barriga, sentam-se em frente à televisão e gritam toda quarta-feira de noite. Eu prefiro aqueles que dormem no parapeito e se estatelam caindo do décimo primeiro andar.

Eu e Araki, que temos sangue frio, ficamos aqui comendo frutas tropicais, bronzeando com lâmpadas fosforescentes, ouvindo Röyksopp. O que farei quando a Copa do Mundo chegar? Me sinto tão solitário nesses momentos (chuif!), prefiro assistir aqueles orientais malemolentes da ginástica olímpica. Não tinha uma garotinha chinesa chamada Pam Pam Pam? Quem pode trocar uma dessas por um "Ronaldo"? Traga Pam Pam Pam para a minha seleção!

Mês de maio chega com pobreza novamente. Pouco trabalho, ainda menos pagamento. São tantas propostas, convites, gente pedindo colaboração, mas quase nenhum desses convites envolve dinheiro. Ainda acham que literatura é uma brincadeira. Sério mesmo é publicidade, não é? Seríssimo. Ao menos as somas.

Ao menos "Feriado" continua rendendo. Fico feliz que um ano depois do lançamento dê uma graninha (inha). Chegou a prestação de contas hoje aqui. Já passou há muito do adiantamento, agora recebo devidamente. Até "A Morte Sem Nome" anda revertendo, vejam só. Eu sou um escritor rentável, invistam em mim, invistam em mim! Haha.

Aliás, me disseram que sou "o escritor com menos de 30 anos que mais vende no Brasil", depois da Bruna Surfistinha, claro. Bem, bem, com certeza ela está algumas centenas de milhares de exemplares à frente. Fiquei pensando se não há mais ninguém. Karina Bacchi, talvez? Karina Bacchi lançou um livro. Ela não tem menos de 30? Porque Bruna Surfistinha não escreveu realmente um livro. Não, não estou sendo venenoso - o veneno de escorpião é dela - está lá, que o depoimento dela foi escrito pelo jornalista Jorge Tarquini, quem realmente cuidou do texto. Eu ainda quero ler. Deve ser divertido. Mas se for para escrever memórias sexuais, deixa só eu contar minhas putarias em Arhus, na Dinamarca! (ops, cala a boca, armênio!)

Sim, sim, ainda vou escrever minhas memórias sexuais... vou mesmo. Seria interessante exercitar algo autobiográfico... Seria um pornô-surrealista... haha. E não vai ter nada em blog, vão ter de pagar para ler! Pagar! PAGAAAR!

Enquanto isso, meu amigo mutante-psicodélico Bruno Maia organiza uma luta no gel entre eu e a Surfistinha. Eu topo. Se pagarem, eu topo...

Bem, não tenho nada de interessante para contar. Só estou atualizando para não acharem que morri. Eu não durmo no parapeito, porque moro no segundo andar e me estatelaria no primeiro, com uma velhinha ligando para a portaria:

"Estão jogando porcarias aqui na minha varanda."

UM ANO TREVOSO

Saindo do poço... Não foi fácil para ninguém, não se engane. Não foi fácil para mim. Estava revendo há pouco minhas retrospectivas de a...