17/12/2009

MEU PEQUENO ANO



Meu aniversário deste ano, Alê, Fábio, yo, Strausser.

O ano já acabou? O foguete explodiu e você não viu? Eu estava tomando um ponche e o dia virou em meia-noite e tudo que era doce se acabou? Babou?

Antes que tudo se acabe (novamente!) resolvi fazer minha retrospectiva pessoal. Não venham me cobrar a resolução de Copenhague e a morte de Lombardi, meu blog é um blog pessoal. Antes de mais nada, manobro os trilhos que passaram por mim. Revi meus próprios posts e concluí:



Fábio, Strausser, Simone, Wesley, no Rio.



Fizemos a virada no Rio. Poderia ter sido melhor. Fomos a uma festa que poderia ter sido grande estilo, mas que acabou sendo festa do interior - fagulhas e pontas de agulhas. Ao menos ninguém deu OD.


A gente (eu - veja aí) trocou pneu dia 1 na linha vermelha. Roubaram um dos meus rins, mas eu não estava usando.







Terminei jogando DS num hotel ordinário à beira-mar.



Assim começou o ano...





Ah, sim, teve o show do Peter Murphy, o legendário vocalista do Bauhaus! Tudo bem que ele pode estar caidaço, mas a voz estava em cima, para mim ele estava em cima e é sempre bom ver essa gente pela primeira vez ao vivo. Foi uma realização na minha vida.



Com o Alê também fiz mais uma instalação no Sesc Pinheiros. Adoro fazer essas coisas. Fico feliz de fazer essas coisas. Principalmente porque não tenho menor talento pra essas coisas, e tenho todo talento pra essas coisas. Digo, não tenho menor talento para artes plásticas, mas adoro poder criar personagens, idéias, imagens e frases para alguém com talento executar plasticamente. Assim foi mais uma instalalação de artes plásticas que fiz com Alexandre Matos no Sesc Pinheiros.


Também teve filha nova, a Jurema, que minha mãe adotou. Tudo bem que nos últimos meses, pelo que eu sei, minha mãe pegou mais dois cachorros novos, que eu nem conheço, porque ando ausente da casa de campo dos Nazarian. Mas a Jurema já faz parte da família. E eu adoro todo tipo de bicho.


Falando nisso...


Aí minhas editoras. Estou fechado com a Record até 2011. Mais dois livros. Um de juvenil (com a Ana aí da esquerda) e um de contos (com a Ana aí da direita).


E embora eu devesse ficar escrevendo, passei grande parte do ano cozinhando...



Acho que o melhor prato do ano foi mesmo minha lula a dorê. Apesar de ter feito belos risotos e ...



.... esse belo marreco recheado. Talvez o marreco recheado tenha sido o melhor, mas era gorduroso demais, como todo marreco (ainda mais que em seguida fomos ver uma peça de teatro que engordurou tudo mais ainda...).


E o amor...



Não esquecer que a revista Criativa deu o belo beijo gay meu e de Fábio, em página inteira na edição de junho, embora a militância nem tenha se dado conta. (Mix Brasil que cobra um beijo gay do mundo, nem percebeu...)


E a arte...


Teve também esse mega-ultra lançamento, mas ninguém notou... Nah, o livro foi bem comentado, pouco resenhado, o lançamento saiu em tudo quanto é lugar. Mas você não leu. Achei um pouco muito frustrante, principalmente porque teve gente muita bacana que o identificou como meu melhor livro, mas ele ficou num meio termo desconfortável. Preferia ter sido apedrejado. Isso é que dá não haver uma crítica consistente neste Brasil.


(Saiba que eu vou me vingar.)


De qualquer forma foi um grande orgulho. Trabalhei três anos nesse livro e fiquei feliz que saiu - pela Record- em grande estilo. Esta aí. E nunca foi para ser para qualquer um...



Teve mais um vez o Programa do Jô. Terceira vez. Ele já é brother e eu peço pra ele vir dar comida pro meu iguana quando vou viajar. Essa vez foi a que eu gostei mais; bem calcadada no universo do livro. Não vou nem falar que no dia de gravação tava uma chuva torrencial e eu fui acordado de última hora de uma ressaca daquelas...


Ah, Marimoon também já é brother. E dá comida ao meu canário... se eu tivesse um. Foi mais uma série de entrevistas que eu dei, e que de certa forma me frustaram por perceberam que é mais fácil eu aparecer cinco minutos em rede nacional falando sobre meu livro do que um ser humano passar alguns dias lendo de fato....

Mas faz parte!




Erika tá linda. Mas eu estava com um look tão 2007... (E tava mesmo! )

Fiz mais esse último SPFW com a Erika, de longe, dei uma entrevista bem bacana pra ela, mas me mantive meio longe desse mundo da moda., das festas... Aliás, me mantive longe do jornalismo em geral. 2009 foi um ano de muito, muito trabalho, de tradução, pareceres, críticas, tudo no meio editorial. Estou ainda fazendo a conta, mas acho que foram.... OITO livros traduzidos em 2009.


A diva do meu ano foi Ana Paula Maia. Seu "Entre Rinhas de Cachorros e Porcos Abatidos" é meu livro nacional do ano (pronto, dei!) e isso sem segundas intenções, porque não somos, assim, amigos, amiiiiiiiiiiigos, nem sei se ela leu meu livro... nem sei se gostou...


Enquanto eu flano...



Olha, de viagem este ano eu destaco o Peru. O Peru foi o mais legal, mais bonito, mais divertido. Fui à feira do livro de lá, participei de uma antologia e ano que vem lanço um livro ("O Prédio") um país surpreendente e estranho. Quero mais.



Também foi legal no Peru encontrar escritores que já tinha encontrado pela América Latina, Bogotá, Chile, Argentina. Aos poucos a gente vai sentindo que tem uma carreira internacional. Este ano senti que enraizei ainda mais minhas entranhas na América Latina. Melhorei meu espanhol. Bacana.


Dani Umpi também foi um grande amigo que fiz por lá, que já reencontrei por aqui. Escritor-cantor-performer e artista psicodélico. Saudades.



Leo Felipe é outro escritor que me convidou para um país inédito em 2009, Venezuela. Adorei conhecer... Quem sabe, eu volto.


Aqui em Campinas mesmo deu pra se divertir, com Marcelino Freire.

O pessoal do Recife organizou a divertidíssima Freeporto.




E agora no final do ano reencontrei em grande estilo grandes ídolos como João Silvério Trevisan e João Gilberto Noll. Pronto. Acabou.

Hum, foi pouco, não? Tudo bem que nem fiz questão de mencionar coisas tipo Bienal... Mas olhando assim, estou achando esse ano curto, acho que foi tudo muito mal aproveitado. Muito mal temperado para quem tem tanto sal nas têmporas como eu. Problema seu. Você me desperdiçou. Quem sabe em 2010 a gente não se acerta?

Fico por aqui, mas o blog deste ano ainda não acabou. Estou sempre online. Stay tuned para pseudo novidades. Semana que vem parto para Floripa, para pseudo-férias de verdade.

VIVA LA RESISTENCIA

Do alto de Medellin.  Voltando da Colômbia, após cinco dias em Medellin, numa daquelas viagens mais proveitosas do que divertidas. Via...