09/06/2010

A CAPITAL SECRETA DO MUNDO

Melamed, eu, Galera, ontem.

Terça-feira acordei 7h em Florianópolis, peguei um ônibus pra Lagoa, de lá um táxi pro aeroporto, um vôo para São Paulo, de São Paulo para Vitória, de Vitória 2 horas e meia de carro para Cachoeiro de Itapemirim, deixei minhas coisas num hotelzinho fuleiro, e sete horas da noite cheguei à Bienal Rubem Braga.



A mesa.


Valeu bem. Esse esforço é constante nos eventos literários... mas o resultado raramente é tão positivo. Evento lotaaaaaaaado, público bem bacana, mais de duas horas de debate. Também teve presença massiva da imprensa, entrevistas para TV, e saíram coisas bem legais nos jornais de lá. Domingo inclusive teve fotos enormes nossas na capa do caderno de cultura da Gazeta de Vitória. Bom ver que foi mais um lugar distante em que minha literatura chegou antes de mim... e me levou junto.


O trio.


O tema era "literatura, novas mídias, o mercado e o caralho," então pudemos falar não só do "velho papo" de blogs, o espaço que nossa geração conquistou no meio literário, mas também sobre novos rumos, a questão dos e-books, mudança na forma de tratar os direitos autorais, plágio, inspiração e a função do escritor nesse mundo apocalíptico. Papo longo.




Encontrar Galera e Melamed também sempre é bom. Melamed é um provocador performático incrível e amigo querido. Galera é um escritor que admiro, com uma consistência e embasamento impressionantes.

Essa e a foto acima roubei do querido Jhonathan Siller: http://ejaculacao-mental.blogspot.com/

Fora a mesa, só conseguimos conhecer Vitória por alto - achei linda, e me lembrou muito o Rio de Janeiro. Comemos pastéis na estrada, passando por Iconha, e vimos a vista da janela. Em Cachoeiro foi a Bienal, jantar, drinques e cama. Gostaria de ter podido ficar mais.


Parabéns e obrigado a todo mundo da organização da Bienal, da prefeitura, da curadoria, tivemos um tratamento impecável (então nem vou falar mais do hotel...haha).

A Bienal Rubem Braga continua até domingo. Saiba mais aqui:

http://www.bienalrubembraga.com/

PRÉ-PÓS-URBANO

Igreja de Satã A natureza é madrasta. A verdade da mata é impenetrável, intransponível, inabitável, não se pode pôr os pés lá. Não há tr...