26/11/2010

"MEU AMIGO CLAUDIA"



A ativista, cantora, escritora, maquiadora e performer Claudia Wonder morreu em São Paulo na manhã desta sexta-feira. Ela estava internada há quase dois meses no Centro de Referência e Treinamento DST/AIDS para tratar de uma criptococose, doença causada por um tipo de fungo. Claudia deixa para trás uma história de reconhecimento público que começou no teatro e em casas underground da capital paulista. Quem frequentava o Madame Satã deve lembrar bem das apresentações dos grupos Jardins das Delícias e Truque Sujo, ambos comandados por Claudia. A veia militante, que a fez com que a artista se engajasse em iniciativas como o Centro de Referência da Diversidade, surgiu e se fortaleceu em parte graças aos dramas encarados por Claudia por conta da sexualidade. Ela própria chegou a comentar que em várias ocasiões foi comparada a marginais apenas por ser travesti.

A intolerância de alguns, no entanto, nunca foi barreira para que Claudia Wonder mostrasse ao mundo tudo aquilo de que era capaz. Ela participu de 13 filmes, entre eles "Carandiru", de Hector Babenco. Em 2009 estreou o documentário "Meu Amigo Claudia", dirigido por Dácio Pinheiro e focado na história da artista. A produção chegou a festivais de países como EUA e Espanha, neste último tendo recebido prêmio concedido pelo público. No Brasil, o filme foi exibido pelo 17º Festival Mix Brasil de Cinema e abocanhou o Coelho de Prata de melhor documentário. No teatro, Claudia participou de mais de dez montagens, algumas delas junta com a turma do Teatro Oficina. Se aventurou também pela música, gravando com Edson Cordeiro e lançando álbum solo. "FunkyDiscoFashion" foi gravado pela Lua Music em 2007.

Fiquei triste e chocado com a notícia. Claudia não era uma amiga próxima, mas uma pessoa querida, com quem tive prazer de conversar por diversas vezes e trocar emails. Eu era fã, não só pelo excelente disco de elektro que ela gravou em 2007 (e que ela mandou pra minha casa) mas por toda a história de militância atrelada ao underground. Conheci mais do trabalho dela pelo também excelente documentário do Dácio Pinheiro, "Meu Amigo Claudia" (título tirado de uma crônica que Caio Fernando Abreu escreveu sobre ela).

Fica aí a perda de uma pessoa que ainda tinha muito a oferecer. Por aqui, sua hilária música do "Ursinho Misterioso" permanece como um clássico pessoal, com Claudia me trazendo eternamente seus "doces de padaria".

PRÓXIMOS, PÓS E PARALELOS

Já à venda. Saiu esta semana o Perdidas - Histórias para Crianças que Não tem Vez - uma antologia de contos e poemas de grandes autore...