09/05/2012

O QUE ANDA LENDO?

Com Ana Maria Santeiro, agente literária.


Nazarian: Ana. Então, o que está lendo?


Santeiro: Estou lendo dois originais.


Nazarian: Hum, mas sobre isso você pode falar?

Santeiro: Why not?


Nazarian: Podia ser algo sigiloso, escabroso, ou em processo sei lá. Mas me diz?


Santeiro: kkkkkkkkkkkk Não são. kkkkkkkkkkk. Estou lendo Claros Sussurros de Celestes Ventos do, Joel Rufino dos Santos. Um romance que é composto de novelas que podem ser lidas independentemente, e que se passa em torno do Cruz e Souza, Lima Barreto (de repente o nome dele me escapou) e a cena do país naquele tempo. Bem bonito.


Nazarian: Nunca li nada dele. Você agencia?


Santeiro: Estou começando agora. Mas sou amiga do Joel há mais de 30 anos.


Nazarian: Bah, então não vale!


Santeiro: hahahahaha.


Nazarian: Nah, pior que quem trabalha no meio não tem como escapar, né? Ou é amigo ou detesta a pessoa. Não dá pra ser totalmente imparcial...


Santeiro: Mas eu sou amiga de muita gente de quem em não curto especialmente a literatura. Não detesto ninguém


Nazarian: E o romance dele, já está vendido? Pode falar Tem data de lançamento e tal?


Santeiro: Não. Estou finalizando a leitura e vamos começar os trabalhos. O Joel é um autor reconhecido no universo dos livros para crianças, nos ensaios de história (ele é historiador) e também nos seus romances. Mas acho que está precisando de maior visibilidade como romancista.


Nazarian: Sempre há tempo, né? Felizmente, nesse mundo, sempre há tempo...


Santeiro: Sempre. E, como diz a Nélida Piñon, há que se fazer um pacto com o tempo. Ela é um exemplo disso. Aliás, ela é um desses casos de amor e ódio. Eu curto.


Nazarian: É, não adianta ter ansiedade, não é à toa que o maior prêmio literário se chama Jabuti.


Santeiro: kkkkkkkkkkkkkkk. a nossa ansiedade poderia ser menor se soubéssemos que há um público querendo consumir histórias em livro. E a batalha de todos é aumentar a aculturação da população brasileira. Acredito que se a sociedade brasileira entender que é através do conhecimento que se evolui, vai ser sopa no mel vender livro.


Nazarian: É, mas nisso de "histórias" eu discordo um pouco. Acho que o público quer mais é ler "mensagens". Querem "algo que acrescente", como se diz por aí. O espaço para a ficção pura é cada vez mais restrito. Acho que um livro como o Joel tem mais potencial, por ter raízes históricas, ligação com personagens reais.


Santeiro: O livro do Joel trabalha ficcionalmente os personagens da história, inclusive com nomes diferente, como um romance a clé..

COMEMORAÇÕES

Fim de semana em Maresias.  A neve enfim chegou. Semana mais fria do ano no Brasil coincidiu com a publicação de meu nono livro, Nev...