21/03/2013

A VOLTA DOS QUE NÃO FORAM
Marion: Só pelo visu já não tem como eu não gostar. 

A volta do Suede reavivou meu espírito indie rocker e me fez revirar minha (imensa) coleção de CDs, para resgatar algumas pérolas esquecidas. Nessa leva me lembrei do Marion, banda de britpop da qual já falei aqui, mas que tinha deixado meio de lado. 

Lançaram o primeiro CD - This World and Body - em 1995, o segundo - The Program - em 1998 e só. Nunca chegaram a fazer sucesso, nem mesmo na Inglaterra nativa, mas foram daquelas bandas queridas da minha adolescência - e não só porque o vocalista Jamie Harding é das coisas mais deliciosas que existe.  

Embala pra viagem, por favor. 


O som é um britpop pesado, com vocais miados, talvez precursor do emo. Lembra muito bandas que hoje são hiperpopulares, como Killers e Muse. Talvez tenha surgido cedo demais para virar moda. Talvez tenha tido uma má administração. Mas o motivo principal que matou a banda foi o vício pesado de Jamie em heroína.

Pesquisando mais esses dias sobre a banda - vi que a coisa foi brava. Foram dez anos de vício - de 1996 a 2006 - e Jamie só não morou na rua porque, como inglês, conseguia viver parcamente de DIREITOS AUTORAIS. Isso, segundo ele conta numa entrevista, tendo lançado apenas dois álbuns que não fizeram sucesso, dez anos depois ele ainda ganhava 200 libras por semana de direitos. Longe de ser uma fortuna, dava para mantê-lo precariamente (por mês é bem mais do que um salário mínimo brasileiro, afinal).

Em 2006, eles tentaram reformar a banda, fizeram alguns shows, mas o vício de Jamie continuava pesado e ele acabou no hospital, quase morrendo do coração e tendo de ser operado. Hoje, ele conta, não pode trabalhar pelos problemas cardíacos e vive da assistência por invalidez. Não é uma beleza?

O (também excelente) guitarrista Phil Cunningham teve mais sorte - ou foi mais centrado - e se tornou guitarrista do New Order e do Bad Lieutenant (opa, peraí... o Killers não tirou o nome de uma banda fictícia que aparece num clipe do New Order? E o Killers não soa bem como Marion? O mundo não é justo mesmo...).

Voltando a ouvir Marion esses dias, redescobri várias faixas que eu nem conhecia direito, e que são fodásticas. Aliás, quase todas as faixas dos dois discos são boas. Mas o melhor foi saber que o Marion VOLTOU em 2012, lançou um CD ao vivo com várias faixas inéditas e prepara o terceiro disco de estúdio. Já baixei o ao vivo e é ÓTIMO, a banda continua em boa forma, a voz de Jamie continua igualzinha (e eu ainda comia), então carrego a bandeira dos excluídos e divulgo aqui. Graças a um post no Facebook, já sei que consegui tornar pelo menos uma leitora fanática pela banda.

Ouve aí um dos melhores singles da banda (dos anos 90):



E saiba mais (inclusive como comprar/baixar o disco ao vivo), aqui:

http://www.marionuk.co.uk/


PRÉ-PÓS-URBANO

Igreja de Satã A natureza é madrasta. A verdade da mata é impenetrável, intransponível, inabitável, não se pode pôr os pés lá. Não há tr...