19/11/2013

SNUFF BOOK


Algumas coisas só podem ser feitas por escrito. Certos temas, imagens e mensagens só podem ser passados onde ninguém mais os encontraria: num livro. Literatura não tem consenso, não tem orçamento, não tem compromisso e não tem censura. Nessa arte de ninguém, tudo é possível, embora poucos se lembrem disso. Hugo Guimarães está aqui para lembrar. É um autor que vai além. E esta sua pequena pérola serve para mostrar o que ainda, o que apenas pode ser feito num livro. Seu estranho mundo é feito das paixões mais sombrias, grotescas e verdadeiras que fermentam em nós, mas que só encontram saída nas mãos dos loucos e dos artistas. São doze contos de estupro, orgia, tortura e assassinato em que o autor arma um arriscado jogo de desejos próprios e emprestados, fatos e ficção. É comum tentar-se definir jovens autores comparando-os com os já consagrados, encaixando-os em rótulos pré-estabelecidos. Nesse movimento, Hugo seria beat e maldito, pornográfico e surrealista. Literatura snuff? Torture porn escrito? Nada e ninguém ao que o compararmos fará jus à autenticidade de seu universo, a personalidade de sua escrita. Num meio e num mundo cada vez mais quadrados, “O Estranho” tem a força de um atentado terrorista. 



Orelha que assino para o grande livro de contos de Hugo Guimarães. Tem lançamento esta semana, na balada literária:



22/11 (sexta-feira), 19h30 – BALADA NO ESPAÇO PARLAPATÕES: Lançamento dos livros “Rachas”, de Andréa Moraes; “O Estranho Mundo de Hugo Guimarães”, de Hugo Guimarães;

Mauro Nunes. 

Na balada também haverá o lançamento do romance de estreia de Mauro Nunes - o caos do acaso - em que eu assino o prefácio e já coloquei aqui. Bem bacana.


23/11 (sábado), 22h – FESTA DA BALADA NO BAMBU BRASIL BAR: Lançamento do livro “O Caos do Acaso”, de Mauro Nunes; do projeto "Doritos", de Thiago Barbalho; e das antologias “Proibido Para” e “Edifício Marquês de Sade”

E ainda tem a mesa que eu vou mediar. Programação completa aqui: http://baladaliteraria.com.br



PRÉ-PÓS-URBANO

Igreja de Satã A natureza é madrasta. A verdade da mata é impenetrável, intransponível, inabitável, não se pode pôr os pés lá. Não há tr...