01/06/2015

OS CRENTE PIRA


Lia hoje sobre a atual polêmica do Boticário, boicotado pelos evangélicos por apresentar um casal gay em sua campanha de dia dos namorados. Voltou também a discussão do conceito de “família”, sendo formado apenas por homem e mulher. Nesses temas, sempre chovem comentários da crentaiada toda, um povo que nunca teve acesso à educação, mas que agora tem internet e poder de consumo (e de boicotar).

“É por isso que o Brasil está assim, sem valores”, pregam alguns que vêem a aceitação da homossexualidade como um sintoma de decadência moral do país. Gente certamente que não viajou muito, não parou para pensar que a aceitação da homossexualidade é coisa de país rico, de primeiro mundo.

Um amigo gay militante falou em “emburrecimento” da população. Não acho que a população esteja mais burra – é só que os ignorantes agora têm mais meios para se expressar. “Deus criou Adão e Eva, não Adão e Ivo”, é um clichê repetido à exaustão. O clichê mais óbvio nunca é cogitado: “Deus não existe.”

Sou ateu, sem convicção. Não acredito em Deus, mas não tenho certeza de que Deus não exista – como poderia ter? Acima de tudo, acho muita soberba do ser humano tentar entender o seu “criador”, se é que há um criador. Se Deus existe, está muito bem escondido - talvez prefira ficar assim. Se o ser humano foi “criado” por alguém, como pode procurar entender esse ser? Pode ser uma criação de laboratório, alienígenas, forças desconhecidas – o que me parece óbvio é que se algo foi capaz de criar a vida, não pode ser explicado por ela.

Venho de família católica, mas nunca fui batizado. Meus pais nunca acreditaram, e sabiamente se abstiveram de batizar os filhos, já que não iriam hipocritamente seguir os rituais (ao contrário de tantas famílias que batizaram apenas para seguir a tradição de batizar). Estudei em boas escolas. Li bons livros. Pude entender um pouco que a ideia de religião, Deus, Jesus e tantos outros muda conforme a época, conforme o interesse. A Bíblia pode ser interpretada de diversas maneiras.

Sei que é certo preconceito – há grandes pensadores com crença religiosa – mas, para mim, de antemão, se o cara acredita em Jesus-Deus-Bíblia, eu já fico com pé atrás. Já acho que é um coitadinho suburbano que cresceu sem uma boa escola, que teve a educação e o lazer centralizados na igrejinha da rua. É como um adulto que ainda acredita em Papai Noel. Aliás, se o cara acredita em Jesus, tem de acreditar em Inferno, não? Então o cara acredita num diabo chifrudo queimando pessoas... Acredita em possessão, exorcismo? Acredita também em lobisomens? Bem, certamente acredita em fantasmas, não? Acreditar em Jesus não obriga que se acredite em fantasmas, zumbis? Enfim, é um adulto que acredita em contos de fadas.

Os que acreditam cegamente... tapam os olhos para os próprios pecados. Tanto moleque comentando por aí que gay vai queimar no inferno, que ser gay é errado. Deve ser tudo virgem, né? Claro. Porque transar antes do casamento é pecado...  Por sinal sexo oral também, não? Já que não reproduz... Isso sem mencionar tantos e tantos outros pecados citados na Bíblia e cometidos diariamente por todos, tipo usar roupas com tecidos diferentes, cortar a barba, etc, etc. Enfim, é uma condenação seletiva. Sinceramente, a Bíblia é só uma desculpa que esse povo usa para outros problemas que tem com a homossexualidade.

Não tenho certeza nenhuma. Não tenho certeza de que Deus, Jesus, nem coelho da Páscoa não existam. Só acho que que cobrar uma fé cega, irracional, é burrice. Devemos cada um fazer o melhor, seguindo o puro bom senso, educação. Acreditar é o de menos. Se Deus existe, ele não precisa que acreditemos nele. 

AS VIAGENS DE MAIO

Debate em Iguape com Chacal mediado por Reynaldo Damazio.  Está chegando ao fim minha turnê com Ana Paula Maia pelo interior do Rio. ...