27/07/2015

FOBIA DE GÊNERO

Sou um homem branco nascido e criado num bairro nobre de São Paulo. Ainda assim, estou credenciado para falar das minorias, vez ou outra sou taxado de transgressor ou underground, sou uma opção “acessível” do lado B da literatura, por minha homossexualidade assumida.

Recentemente tem se discutido muito sobre “o lugar de fala” na literatura – trazido da mesa com Daniel Galera, Ronaldo Bressane  e Joca Terron na Flip. A mesa, da programação paralela do Sesc, discutia os deslocamentos literários, “viajar para escrever e escrever para viajar”, mas a pergunta de uma jornalista na plateia mudou o foco para o lugar da literatura feminina. A matéria resultante, publicada no G1 (aqui), levou uma série de feministas e feminazis a questionarem “o que três homens (brancos e héteros) acham que podem falar sobre literatura feminina?”

Galera supostamente defendia que escrever como mulher “não tem mistério”, Bressane, em ótimo artigo, desenvolveu a ideia (aqui) dizendo: “Se eu não usar a ficção para me colocar no lugar de outro — ou outra —, pra que diabos serve a ficção?” Mulheres como Ivana Arruda Leite e Simone Campos reivindicaram (aqui) o protagonismo – não serem colocadas sempre como “à parte” da grande literatura (a literatura masculina). E eu concordo com todos e discordo de todos.

Se o desafio e o prazer da literatura estão em se colocar no lugar do outro, colocar-se no lugar do que não se conhece pode soar falso e reducionista. Ainda que o escritor deva escrever sobre o que sabe, um personagem muito próximo de seu perfil/biografia pode remeter à egolataria da “autoficção”.

Eu acredito em literatura feminina, literatura gay, negra, masculina ou fantástica. Os rótulos existem. Existem os estereótipos. E cabe ao bom escritor fazer uso deles, negá-los ou ir além. Um homem pode fazer literatura feminina, um hétero pode fazer literatura gay. Não são escolhas fáceis, e frequentemente soam falsas. Isso não significa que mulheres só podem fazer literatura feminina, gays só podem fazer literatura gay. As pessoas não são apenas uma coisa, o escritor não é apenas um gênero.

Como homem branco classe média-alta, eu sou dominante; como gay sou minoria, marginal. Entendo o homem como “o outro” a ser conquistado. Tenho uma visão masculina de grande parte da vida. Escrever um “romance hétero” (e bastante machista), como BIOFOBIA, é mais fácil para mim do que escrever em primeira pessoa feminina (coisa que também já fiz em “A Morte Sem Nome”). Escrever em primeira pessoa jacaré tem seus desafios, mas também nunca haverá um réptil a me contestar.

Negar os rótulos é ato frequente de autores que se sentem reduzidos. “Não existe isso de literatura gay, é literatura e ponto.” Paia. Gays não precisam fazer necessariamente literatura gay – mas se a homossexualidade é a questão central da obra, é literatura gay. Se o livro trata de questões do íntimo feminino, é literatura feminina. Falar em “literatura masculina” só não é tão comum por, talvez, ser a maior parte da produção literária. O termo costuma aparecer quando é uma mulher que escreve do ponto de vista masculino – o que também não é frequente.   

A fobia do gênero (literário) é compreensível. Quando já se lê tão pouco no Brasil, enquadrar-se num rótulo é reduzir ainda mais o público (“livro de mulherzinha”, “livro de viado”). Para piorar, os autores que aceitam os rótulos são em sua maioria os que fazem uma literatura panfletária, que não apenas discute a questão (do gay, do negro, da mulher), mas querem defender essa questão, perdendo assim as sutilezas e contradições que podem rondar o tema.

Pessoalmente nunca senti preconceito no meio literário por “ser um autor gay”, mais por ser um autor “moderninho”, pelo caráter pop da minha imagem e escrita, pelo flerte com a literatura de horror. Nos bastidores, quem sabe a homossexualidade me tenha fechado e aberto portas; apenas nunca procurei cotas. 


Mais do que tentar se afirmar como o gênero dominante – “Literatura e ponto” – acho que homens, mulheres, gays e jacarés deveriam reafirmar suas diferenças, fortalecer seus gêneros próprios, tomar as rédeas dos rótulos. Eu fico com o “existencialismo bizarro”. Sou homem branco dos jardins, mas não quero escrever como um homem branco dos jardins. Quero meu espaço e quero respeito, não quero ser mainstream. Só faz sentido escrever se for para tentar fazer diferente. É o gosto pelos subterrâneos que me leva mais longe.


ESTRADA

Não sei porque colocaram só meu sobrenome, mas achei chique.  Finalmente o ano está começando para mim. Já voltei para São Paulo e sem...