14/10/2008

QUANDO ACORDOU, O JACARÉ AINDA ESTAVA LÁ...

Foto: "The Alligator's Approach" (Sally Mann)

Soube que "Mastigando Humanos" foi um dos livros selecionados pro PNBE - Programa Nacional de Bibliotecas na Escola? Isso significa que será um dos livros adotados para o ensino médio em 2009, com exemplares distribuidos por escolas públicas e bibliotecas de todo o Brasil. Ótimo não só pelas vendas, mas pela divulgação com a petizada. É meu jacaré conquistando definitivamente seu posto de professor.

Acho um público ótimo, talvez o único público que interesse realmente. São leitores em formação, gente que começa a ler meu livro e que pode ter mais simpatia com a literatura como um todo, que pode se tornar meu leitor para a vida toda, que pode se tornar leitor para a vida toda.

Como eu queria ter lido sobre jacarés assassinos na minha adolescência...

Já dei algumas palestras em escolas onde "Mastigando Humanos" foi adotado. É claro que nem todos os alunos gostam, alguns até criticam na cara dura. Mas ainda acho que é um livro diferente, é uma opção diferente, e é importante dar a eles (mais) essa opção.

Então taí. Com aval (e aquisição) do governo.

Hoje mesmo eu estive numa escola, conversando com duas turmas de 8a série. Eles não tinham lido meus livros, mas eu li os contos dele. Tinham coisas bizarríssimas, no bom e no mau sentido, muito sangue, muita morte. Se eles fossem autores crescidos, perguntariam se "tiveram influência de Rubem Fonseca", sendo que talvez o Rubem Fonseca é que tenha recebido as mesmas influências que eles. Me perguntei isso. Se Rubem Fonseca escrevendo hoje, e essa petizada escrevendo hoje, pode ser considerada a mesma "geração literária", porque por mais que haja a diferença de idade, estão produzindo ao mesmo tempo, no mesmo tempo, sob o mesmo contexto social-urbano...

Minha conversa com eles foi um pouco por esse caminho, de forma mais simplificada (mas nem tanto, porque era uma turma bem espertinha). Perguntei sobre a função da arte, a função da escrita, do escritor, da literatura de ficção. Eu sempre gosto mais de perguntar do que de responder, gosto de jogar questões para a classe. É assim que costumo estruturar as aulas que dou - tanto para ensino fundamental quanto para faculdade - se não fica muito na "Entrevista coletiva": "Com quantos anos começou a escrever?", "Como faço para publicar?", "De onde você tira suas idéias". Pra mim, é mais interessante perguntar.

Assim meu jacaré vai chegando lá...

Como o dia foi longo. Esta noite conferi a estréia de "A Tempestade", com a Companhia de Teatro em Quadrinhos, no Sesi. Como diria meu amigo maestro, é um "Shakespeare for Dummies", mas é divertida a visão "clownesca" da coisa...

Quando coloco o cd com a trilha do "Cymbeline" aqui eu quase choro. Sério. Saudades. Ainda bem que não sou ator e não costumo fazer teatro, porque é muito cruel essa coisa de peça sair de cartaz e nunca mais...

VOTUPORANGA, SÃO PAULO, SÃO ROQUE E FIM!

Quinta agora, com Reynaldo Damázio. Se há algo de que não posso me queixar este ano é dos eventos. Antes mesmo de lançar o livro novo o...