06/02/2011

ORGULHO DO TITIO

Filipe Catto e Thiago Pethit. Eu vi primeiro! Eu vi primeiro!

E você que acompanha o blog, viu primeiro aqui.

Há tempos falo do Thiago Pethit e Filipe Catto, amigos queridos e cantores talentosíssimos. Esta semana, numa passagem por São Paulo, tive o privilégio de ver os dois se apresentando (em dias diferentes) no Sesc Pompeia, na mostra Prata da Casa, com os melhores músicos que passaram por lá ano passado. Fiquei emocionado.

Ali de longe, da ilhinha, acompanho as novidades dos dois, e o hype crescente – foto do Thiago com o Caetano Veloso, Ney Matogrosso elogiando Filipe – mas o mais lindo é vê-los ao vivo de novo e perceber como isso se converteu numa segurança de palco, em repertórios impecáveis. Os dois já estão num nível tão elevado que é curioso pensar em como isso vai se desenvolver, se ainda pode se desenvolver mais.

Filipe canta tango, canta samba e canta chorinho, em composições próprias e versões de Reginaldo Rossi à (banda gaúcha) Apanhador Só. Leva tudo para seu próprio universo, num gênero que eu só poderia chamar de “Fossa Nova” (oh, eu que batizei, você leu primeiro aqui, haha). É um show grave, sério, mas delicioso por ser musicalmente perfeito. Indiscutível. O talento do Filipe é uma coisa absurda de se ver, uma voz cristalina e, além de tudo, ele é lindo, claro. Não tem como dar errado.

Para quem ainda não ouviu: http://www.myspace.com/filipecattomusic

E o Thiago também criou um universo muito particular. Pode cantar em português, em inglês, em francês, que é tudo Thiago Pethit. Adorei ver sua legião de fãs, o povo cantando junto, ouvir músicas novas, ele tocando num piano de cauda. Show fofo, chique e cartunesco. Como o Brasil precisava de um cantor assim...


Há alguns... anos (?!) ele me pediu uma letra, e eu mandei. Mas como nunca desabrochou em música, e agora ele não precisa mais de mim, coloco aqui de registro. É sobre amores platônicos, aquela pessoa que você encontra todo dia na rua, no mesmo horário, quando vai pro trabalho ou vai estudar, e dependendo do ponto em que você encontra essa pessoa na rua, você sabe que está atrasado ou adiantado...

Vê se você gosta. Se a gente costuma se cruzar pelas ruas, pode tomar como uma declaração pra você, estou mesmo precisando de novos musos, puros e exclusivos, porque esses dois aí de cima já são da vida.


Relógio de Sol

Sua sombra faz o sol se por
Sua sombra me protege do sol

Quem sabe eu te encontro, no mesmo ponto,
Quem sabe eu te encontro, no final do dia

Sua sombra é o relógio de sol da minha vida
Toda semana, no final do dia
Sua sombra é o relógio de sol da minha vida

Meu relógio solar, meu relógio de sol
Meu ponteiro anti-horário, diário, diante do meio fio
Meu relógio solar, meu relógio de sol
Meu ponteiro anti-horário, diário, num pequeno desvio

Quem sabe eu te encontro, hoje, antes das seis,
Quem sabe eu consigo, me encontrar com você

Sua sombra é o relógio de sol da minha vida
Toda semana, naquela descida
Sua sombra é o relógio de sol da minha vida


Meu relógio solar, meu relógio de sol
Meu ponteiro anti-horário, diário, diante do meio fio
Meu relógio solar, meu relógio de sol
Meu ponteiro anti-horário, diário, num pequeno desvio

COMEMORAÇÕES

Fim de semana em Maresias.  A neve enfim chegou. Semana mais fria do ano no Brasil coincidiu com a publicação de meu nono livro, Nev...