01/06/2005

NÃO ALIMENTE OS ANIMAIS

Muitas pessoas têm me dito que procuram "Feriado" por aí e não encontram. Pois é. Editora grande. Devia ter uma boa distribuição. Mas existem alguns problemas de posicionamento que pegam. Já briguei muito, inclusive pela falta do livro na Bienal, nos lançamentos, etc. De qualquer forma, devo muito ao Rogério (editor) e à Débora (assessora), pessoal que luta por mim na editora e que tem grande participação no sucesso de "Feriado de Mim Mesmo". A segunda edição já está aí.

O que eu sugiro a quem me procura pedindo o livro é o mesmo que deve ser feito com todos os autores de editoras menores. Pedir, encomendar. As livrarias não conseguem manter estoque de tudo o que é lançado. Acabam só tendo os bestsellers, ou os livros que as boas editoras conseguem sustentar a venda. Todo o resto é feito por encomenda, embora as pessoas ainda tenham certo medo de encomendar... ou talvez elas prefiram já sair com o livro embaixo do braço a ter de esperar...

Eu detesto ter de esperar.

Também sempre é melhor encomendar o livro numa livraria, como Cultura, Vila, Lima Barreto, etc. Porque isso mantém o nome do livro circulando e os vendedores acabam pedindo mais, para manter em estoque. Mas meus três livros podem ser pedidos pelos sites Submarino, Saraiva, Livraria Cultura...

Parece que dia desses vou ter uma conversa com o pessoal da Cultura. Eles promovem isso, conversas entre autores e os funcionários. Acho ótimo. Porque existe uma distância muito grande entre quem produz e quem vende, que deveria ser diminuída. Os vendedores muitas vezes nem sabem quem são os novos autores, por mais que esses sejam comentados na mídia. O que me parece é que a "máquina de resenhas", as críticas em jornal e revista, acaba funcionando mais entre jornalistas e escritores do que entre leitores, vendedores e "gente real".

Eu já trabalhei em livraria (da Vila e do Meio), há muito tempo. Minha mãe também tem muita experiência nesse ramo. Foi bom para entender como funciona o outro lado.

Falando em livrarias, tenho uma conversa com o público marcada na Lima Barreto (em São Paulo, Vila Madalena), dia 21 de junho, 19h. Vai ser uma boa oportunidade para encontrar o pessoal daqui que tem me escrito. Mais perto eu aviso de novo.

Falando no pessoal que tem me escrito, agradeço ao carinho de gente como o Lu Gastão, que eu ainda nem conheço pessoalmente, mas sempre torce por mim, promove meus livros e que inclusive me deu indicação de trabalhos. Tem também a Renata Miloni, o Saint-Clair, a Carla... Se eu fiz este blog foi para isso, para promover meus livros e manter um canal com meus leitores. É o melhor que posso fazer por quem quer me conhecer melhor. Não sou muito bom ao vivo. Procuro sempre responder a quem me escreve, mas as vezes não sei o que dizer. Não sou um popstar. Não sou uma ótima pessoa. Só tenho confiança mesmo no que eu escrevo... nos livros (porque no blog muitas vezes escorrego). E não quero ficar mantendo pose de que está tudo bem, de que minha vida é só programas de TV e resenhas. Mas também não posso fingir que tudo é uma grande depressão...

Eu tenho orgulho do que conquistei, gratidão por muitas pessoas e vários, vários, vários receios.

Ai, ai, estou ficando sentimental. Deve ser "Antony & the Johnsons" tocando aqui. São 4:20am.

Ontem arrumei um trabalhinho pequeno, de alguns dias, pouca grana, mas que eu adoro fazer. Tradução de um filme. Vamos ver se surgem outros por aí.

LEVE NEVE

Com minha herdeira, a Trevosinha Valentina.  Lançamento ontem em São Paulo. São Paulo é o que conta - é minha casa, minha base, daqui...