25/01/2021

NOTAS SOBRE O APOCALIPSE: O NOVO NORMAL


- Agora que começou a vacinação, muito se fala sobre “a luz no fim do túnel”, embora o túnel ainda seja longo, e as coisas só comecem a voltar ao normal no próximo ano.

- Mas pessoalmente acho que algumas coisas NUNCA mais serão como antes, independentemente da eficácia da vacinação. É o “novo normal”, de que tantos falam, que veio para ficar. 

- Usar máscara, por exemplo. Tem muita gente ansiosa para largar (bom, muitos já largaram, muito nem chegaram a usar). Mas eu acho que sempre haverá uma parcela da população ainda usando, não só pela paranóia, não só por novos vírus; é um costume que sempre foi normal em países asiáticos (e que estranhei quando fui ao Japão, há dez anos, ver tanta gente circulando de máscara no transporte público) e que deve permanecer em muitos que estiverem doentes, que tiverem medo de ficar doentes, seja de um resfriado. Eu ainda acho um saco, ainda mais agora no verão.

- Cumprimentar amigos (e estranhos) com beijinhos e o contato físico social em geral é algo que deve diminuir bem, felizmente. Nunca gostei, sempre tive meio nojinho, e agora todo mundo terá motivos para ficar eternamente ressabiado.

- Deixar sapato para fora da casa é outro costume oriental, que eu e muita gente adotamos durante a quarentena. É mais higiênico. E não tem motivo para voltarmos a ficar em casa calçados, pelo menos aqui no meu apê.

- As lives já existiam e devem permanecer. O triste é que acho que muito festival literário vai continuar adotando esse formato, para não precisar pagar passagem-hospedagem-cachê aos autores. E acho que também haverá híbridos, com autores nacionais presentes, por exemplo, e estrangeiros ao vivo num telão.

- O formato também das entrevistas e correspondentes de TV aparecendo de casa, por zoom acho que também vai pegar. Participei de vários programas de TV desde que começou a quarentena (Metrópolis, Arte1, Canal Curta, Jornal da Cultura) e foi tudo por zoom. Acho que nunca mais que uma TV vai mandar uma equipe de gravação aqui em casa.

- Academia com hora marcada é outra tendência que acho que fica. Meio chato, ter de se programar de antemão, ter horário limitado, mas limita mesmo as aglomerações. E acho que várias outras aglomerações que antes ocorriam naturalmente agora serão contidas.

- Delivery de tudo foi um lado positivo da pandemia, que deve permanecer. Não vejo os restaurantes mais deixando de entregar, principalmente com o crescimento dos aplicativos. Acho que o delivery deve até ainda aumentar em outras áreas.

- Posso deixar o texto aqui para daqui a dois, três, cinco anos ver o quanto acertei nas previsões... mas será que meu blog, será que EU durarei mais tanto tempo?

A CALÇA DOS MORTOS

  Resenha que publiquei ontem na Folha:    Lançado em 1993, Trainspotting, o primeiro romance do escocês Irvine Welsh, foi uma sensação ...