24/08/2015

O VILAREJO


Numa época incerta, num vilarejo indefinido do leste europeu, o frio e a fome desolam a população. Confrontados com a escassez, os piores instintos humanos vêm à tona, evocando horrores dignos de demônios. É esse o mote do novo "romance episódico" de Raphael Montes, querido amigo e irmãozinho.

Estruturalmente pode ser visto como um livro de contos, no entanto o universo comum e a recorrência de personagens faz com que as histórias se relacionem e se complementem, ganhando um significado maior se lidas em conjunto.

Li já há alguns meses e me impressionei novamente com o talento de Raphael como contador de histórias. Para mim também é sempre um alívio, por eu incensá-lo desde o início (a primeira resenha do primeiro livro dele - Suicidas - foi daqui deste blog), poder confirmar que eu estava certo, não foi apenas uma aposta ou uma promessa; Raphael faz bonito.

Emulando autores clássicos de terror pulp, como Lovecraft e Poe, com algo dos contos de fadas mais sombrios de Andersen, O Vilarejo diferencia-se bastante da produção autoral de Raphael, afastando-o da realidade burguesa carioca. Talvez não seja o melhor livro dele (por não ter identidade tão própria), mas é meu favorito.Tudo é muito bem amarrado, as histórias têm algo de arquetípico, o universo é fabulesco (e fabuloso).  E com cenas chocantes de tortura, estupro e canibalismo, Raphael faz jus ao título de "príncipe dos horrores".

O lançamento em São Paulo é amanhã, terça dia 25, na Livraria Cultura da Companhia das Letras, no Conjunto Nacional. Sai pelo Suma das Letras, o selo pop da Companhia.



UM ANO TREVOSO

Saindo do poço... Não foi fácil para ninguém, não se engane. Não foi fácil para mim. Estava revendo há pouco minhas retrospectivas de a...